Israel reforça ataques no sul de Gaza e diz ter desmantelado Hamas na região norte
Busca Notícias - Seu Portal de Notícias Online | Veja as primeiras Notícias

Israel reforça ataques no sul de Gaza e diz ter desmantelado Hamas na região norte

 


As ofensivas indicam uma nova fase na guerra iniciada em 7 de outubro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Israel intensificou nesta segunda-feira (8) os bombardeios no sul da Faixa de Gaza, atingindo cerca de 30 alvos do Hamas, segundo Tel Aviv, após as Forças Armadas do país afirmarem ter "concluído o desmantelamento" da estrutura militar do grupo terrorista na região norte do território palestino.

As ofensivas indicam uma nova fase na guerra iniciada em 7 de outubro, quando extremistas da facção romperam barreiras e assassinaram aproximadamente 1.200 pessoas em Israel. O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse ao americano The Wall Street Journal que as forças do país passarão para uma "etapa menos intensa" no norte de Gaza, enquanto ações "mais direcionadas" se concentrarão nas regiões central e sul do território.

O governo de Israel disse em nota que a transição começaria em breve, mas sem estabelecer uma data. Segundo o New York Times, autoridades israelenses disseram sob condição de anonimato que esperam concluir a transição até o fim de janeiro, mas que o cronograma pode mudar.

"A guerra mudou de etapa", afirmou o porta-voz do Exército israelense, Daniel Hagari. "Mas a transição será feita sem nenhuma cerimônia. Não são anúncios dramáticos."

Autoridades americanas disseram esperar que a nova fase da guerra concentre missões de grupos menores das forças de elite israelense, que entrariam e sairiam dos centros populacionais de Gaza para encontrar e matar líderes do Hamas, resgatar reféns e destruir túneis, segundo o New York Times.

Também dizem acreditar que o número de tropas israelenses no norte de Gaza caiu para menos da metade dos cerca de 50 mil soldados que estavam na região no mês passado, durante o auge da campanha.

Embora Israel tenha a intenção de reduzir o escopo da ofensiva, o premiê Binyamin Netanyahu voltou a descartar o fim da guerra no domingo (7). Ao dar início à reunião semanal do gabinete de guerra, ele afirmou que os enfrentamentos seguirão até que o país tenha alcançado todos os seus objetivos, incluindo a "eliminação completa" do Hamas e das ameaças militares em Gaza, além da devolução ou resgate dos reféns ainda mantidos em cativeiros.

Já nesta segunda, Tel Aviv disse ter atingido "alvos significativos" do Hamas em ataques feitos por caças. Os alvos incluíram instalações subterrâneas, depósitos de armas e outras infraestruturas do Hamas. As ações ajudaram as forças que estão "manobrando na área a continuar lutando", disse comunicado divulgado pelo governo.

Uma incursão militar no sul de Israel teria descoberto um túnel usado por terroristas próximo a uma escola de Khan Yunis, maior cidade da região sul do território. Armas, explosivos, equipamentos para comunicação e documentos teriam sido apreendidos em outras infraestruturas localizadas ao lado de residências civis.

Segundo o Times of Israel, durante a operação, vários foguetes foram disparados contra as tropas, que, em resposta, direcionaram fogo de tanques e um ataque aéreo contra a célula terrorista responsável. Em outra região de Khan Yunis, as tropas se envolveram em batalhas com terroristas escondidos na cidade, direcionando ataques de drones enquanto caças as apoiavam pelo alto.

O Ministério da Saúde local, controlado pelo Hamas, disse nesta segunda que 73 palestinos foram mortos em Gaza nas últimas 24 horas. Ainda segundo o órgão, no total mais de 23 mil pessoas morreram em ataques atribuídos a Israel desde o começo da guerra, e ao menos 58 mil ficaram feridas.

Sob pressão internacional em razão desses óbitos, de civis em sua maioria, autoridades israelenses anunciaram no dia 1º a retirada de parte de suas tropas de Gaza. Embora a maioria dos soldados deva voltar à vida civil, relatos na imprensa israelense sugerem que pode haver um deslocamento de efetivo para reforçar a fronteira norte com o Líbano, onde tropas com frequência trocam fogo com extremistas do Hezbollah, grupo extremista islâmico que assim como o Hamas é patrocinado pelo Irã.

As escaramuças diárias ficaram mais tensas depois de 2 de janeiro, quando Israel matou Saleh al-Arouri, o número dois da ala política do Hamas, em um ataque com drone no sul de Beirute, território controlado pelo Hezbollah. O grupo extremista jurou vingança, e o primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, afirmou que Tel Aviv tentava arrastar o Líbano para a guerra contra os palestinos.

Apesar das ameaças, outro comandante do Hezbollah foi morto em um ataque atribuído a Israel nesta segunda. Líderes da facção o identificaram como Wissam al-Tawil, um dos chefes da força de elite do grupo Radwan. Eles disseram que ele e outro combatente foram atingidos em um bombardeio na região de Majdal Selm, no sul libanês.

Ataques israelenses já mataram mais de 130 combatentes do Hezbollah em território libanês desde o começo da guerra contra o Hamas, em 7 de outubro. Outros 19 foram mortos na Síria. A facção, contudo, tem evitado expandir o conflito -o último combate aberto entre ambos os lados ocorreu em 2006. Mas os acontecimentos recentes aumentam o temor de que a guerra Israel-Hamas se espalhe.

Na semana passada, Gallant, o ministro da Defesa israelense, disse que há "um curto espaço de tempo para que se chegue a um entendimento diplomático" com o Hezbollah. Antes, o líder do grupo extremista, xeque Hassan Nasrallah, havia dito ser inevitável uma resposta a Tel Aviv após o ataque do dia 2 na capital libanesa.

Os Estados Unidos e aliados do G7, o grupo que reúne algumas das principais economias do mundo, estão buscando uma saída rápida da fase militar do conflito de Gaza, disse a Itália em comunicado nesta segunda, enquanto o secretário de Estado americano, Antony Blinken, e os seus homólogos da União Europeia rodam o Oriente Médio numa tentativa de arrefecer a crise.

Blinken se reuniu com autoridades dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita nesta segunda, antes de seguir para Israel. Ele busca, segundo Washington, dar início a esforços de paz que são necessários para evitar uma propagação do conflito.

O americano iniciou um esforço diplomático de cinco dias no Oriente Médio por Jordânia e Qatar no domingo (7), em sua quarta visita à região desde os ataques de 7 de outubro. "Este é um momento de profunda tensão. Trata-se de um conflito que pode facilmente se transformar em uma metástase, causando ainda mais insegurança e sofrimento", afirmou Blinken.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem