'Se o presidente convida, é muito difícil dizer não', diz Dino sobre STF
Busca Notícias - Seu Portal de Notícias Online | Veja as primeiras Notícias

'Se o presidente convida, é muito difícil dizer não', diz Dino sobre STF

 


O presidente Lula (PT) também estuda os nomes de Bruno Dantas, presidente do TCU, e Jorge Messias, advogado-geral da União.

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), falou sobre uma possível indicação ao STF.
Dino é cotado para assumir a cadeira de Rosa Weber no Supremo. O presidente Lula (PT) também estuda os nomes de Bruno Dantas, presidente do TCU, e Jorge Messias, advogado-geral da União.

"Se o presidente da República convida, é muito difícil dizer não. Vou estar desdenhando do STF, é descabido", disse Flávio Dino em entrevista ao jornal O Globo.
Ele acrescentou que Lula nunca conversou com ele sobre a vaga no STF. "Sequer insinuou".

Dino também respondeu críticas de que usaria o STF como trampolim para disputar a Presidência. Ele declarou ao Globo que "jamais" voltaria à política se fosse indicado ao Supremo.
"Se um dia, talvez, eu fosse para o Supremo e pensasse em retornar à política, haveria uma premissa de que eu usaria a toga para ganhar popularidade. Isso eu não farei, ou faria. Jamais. Seria uma decisão definitiva. Ou será, sei lá", diz Dino.
O presidente Lula já sinalizou a interlocutores que está decidido a indicar Dino para substituir Rosa, apurou a colunista Malu Gaspar, do jornal O Globo.

Após a indicação, o senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça, deve marcar uma sabatina. Ele vê dificuldades na aprovação do nome de Dino.
Dino tem a simpatia de Valdemar Costa Neto, presidente do PL, que declarou que a maioria da bancada votaria pela aprovação. "Se for um cidadão preparado, o que é o caso, devemos votar a favor", afirmou à CNN.

A fala gerou reação de Flávio Bolsonaro (PL) e outros senadores. "Minha posição pessoal é que jamais votaria a favor de uma pessoa arrogante, prepotente, que defende aborto, não combate o tráfico de drogas e armas. Não passaria", escreveu ele numa rede social.

Caso se confirme a indicação de um homem no lugar de Rosa, a ministra Cármen Lúcia passará a ser a única mulher entre os 11 ministros. A cúpula do governo está desconfortável com a lembrança de que a opção por um homem contradiz o discurso sobre diversidade de Lula.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem