Lula assina acordos em Angola e critica 'indiferença' de Bolsonaro à África
Busca Notícias - Seu Portal de Notícias Online | Veja as primeiras Notícias

Lula assina acordos em Angola e critica 'indiferença' de Bolsonaro à África

 


Lula disse que o intercâmbio bilateral entre os países caiu "drasticamente a partir de 2015" e acrescentou que, no primeiro semestre deste ano, cresceu quase 65% em comparação com o mesmo período de 2022.

FABIANA ANDRÉ
LUANDA, ANGOLA (FOLHAPRESS) - Em continuidade da viagem à África após a cúpula do Brics, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou nesta sexta-feira (25) acordos bilaterais na Angola e aproveitou a ocasião para fazer críticas indiretas a Jair Bolsonaro (PL) devido ao distanciamento de seu antecessor com os países do continente.

Lula disse que o intercâmbio bilateral entre os países caiu "drasticamente a partir de 2015" e acrescentou que, no primeiro semestre deste ano, cresceu quase 65% em comparação com o mesmo período de 2022.

"A vinda a Angola simboliza o retorno do Brasil à África. Nos últimos anos, o Brasil tratou os países africanos com indiferença. Pela primeira vez desde a redemocratização, tivemos um presidente que não fez nenhuma visita à África. Embaixadas brasileiras foram fechadas. A cooperação foi abandonada. Deixamos de atuar juntos nos foros internacionais", disse Lula, comprometendo-se a "corrigir erros e alçar a parceria estratégica a um novo patamar".

Durante um fórum econômico, Lula também convocou empresários brasileiros a investirem na África para expansão de empresas. O presidente argumentou que, se houvesse mesmo preocupação do setor, não se teria permitido uma "quebradeira" das empresas de engenharia brasileiras. Foi uma referência às investigações da operação Lava Jato, que levaram à prisão de executivos de empreiteiras e a multas bilionárias.

"Faça uma licitação hoje para ver quantas empresas brasileiras aparecem e quantas estrangeiras? Um país que construiu uma das mais extraordinárias empresas de engenharia do planeta, ganhava concorrência no Oriente Médio, Miami, no continente africano, latino-americano. Destruíram", continuou Lula, em referência indireta à Odebrecht, empreiteira que foi um dos maiores alvos da Lava Jato.

O presidente chegou a Luanda na noite de quinta (24) e esteve reunido desde as primeiras horas desta sexta com seu homólogo angolano, João Lourenço. O petista destacou a atuação de empresas brasileiras no país africano e disse que a Angola tem condições de se tornar um polo da Embraer no continente. "A aquisição de aeronaves, como a KC390, e a revitalização da frota de Tucanos e Super Tucanos trariam transferência de tecnologia", disse.

Os governos do Brasil e de Angola assinaram vários acordos bilaterais, com destaque para o setor da Defesa, que preveem, entre outras coisas, o fortalecimento da Marinha angolana e a formação de tropas para a ONU (Organização das Nações Unidas).
"Estamos trabalhando numa cooperação que envolva treinamento de tropas angolanas no Brasil para as primeiras forças de desdobramento rápido de Angola a serviço da ONU", disse o embaixador brasileiro em Angola, Rafael Vidal.

Os presidentes assinaram ainda acordos nas áreas da educação, de pequenas e médias empresas, de processamento de dados e de transferência de tecnologia na administração pública. "A ciência e pesquisa farão parte da cooperação. Nossas agências de processamento de dados e tecnologias de informação desenvolverão softwares juntas, com amplo compartilhamento de capital intelectual", disse Lula.

Na área da saúde foram firmadas parcerias para o tratamento do HIV/Aids e da hanseníase. Outro acordo estabelecido autoriza a permanência para os funcionários dos serviços exteriores dos países, o que é "importante pelo fato de refletir a integração no quadro da diplomacia entre as partes", segundo Vidal.

Lula, que participou em Joanesburgo, na África do Sul, da 15ª cúpula do Brics, disse ainda que "o continente precisa ter maior representatividade em instâncias internacionais". Assim, ele convidou a Angola a participar das reuniões do G20 "ao longo da presidência brasileira na organização", que terá início em dezembro.

A cooperação entre Brasil e Angola se intensificou em 11 de junho de 1980, com a assinatura do Acordo de Cooperação Econômica, Científica e Técnica. No âmbito desse acordo, os dois países desenvolveram a cooperação bilateral nas áreas de saúde, cultura, administração pública, formação profissional, educação, meio ambiente, desporto, estatística e agricultura.

O Brasil foi o primeiro país do mundo a reconhecer a independência de Angola, proclamada em 11 de novembro de 1975, pelo então presidente Antônio Agostinho Neto, líder do Movimento para Libertação de Angola.
Atualmente, cerca de 27 mil brasileiros vivem no país -a maior comunidade no continente africano.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem